Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Vídeos em destaque

Unidiversidade

O Arquivo Nacional tem por objetivo a gestão do patrimônio documental do país, garantindo ao cidadão o pleno acesso à informação.

Exposição Itinerários Indígenas

Documentos inéditos sobre as experiências dos contatos entre europeus e índios no Brasil são o tema da primeira exposição do AN

Acervos Digitais

Novos modelos de disseminação, acesso e uso", palestra de Aquiles Brayner realizada no Arquivo Nacional

  • Comunicado Oficial
  • Interdição do Acervo
  • Fechamento da sala de consultas

Conferência ALA-ICA 2017

Arquivos, Cidadania e Multiculturalismo

O Conselho Internacional de Arquivos – ICA , em coordenação com a Associação Latino-Americana de Arquivos – ALA e o Arquivo Geral da Nação do México, com apoio do escritório da UNESCO naquele país , realizarão, de 27 a 29 de novembro,...

Exposição virtual Viagens italianas

Os manuscritos iluminados do Arquivo Nacional

O Arquivo Nacional possui exemplares de manuscritos iluminados em sua coleção de Obras Raras. Você sabe o que são os manuscritos iluminados?   A produção de livros antes da invenção da imprensa, no século XV, era um processo demorado,...

Acervo

Arquivo na História

O portal do Arquivo Nacional tem um espaço onde os documentos do acervo da instituição ganham destaque: o Arquivo na História. Nele, pesquisadores do Arquivo Nacional descrevem e analisam o contexto histórico de cada documento. No espaço são...

Mow Brasil - Edição 2017

Conheça os acervos nominados como Memória do Mundo-Brasil da UNESCO

Registro Nacional do Brasil do Programa Memória do Mundo-2017 Em reunião ocorrida nos dias 2 e 3 de outubro na Escola de Ciências da Informação da UFMG, em Belo Horizonte, o Comitê Nacional do Brasil do Programa Memória do Mundo da UNESCO...

Documentos Históricos

Documentos Históricos

Acervos Privados

Acervos Privados

Entrada de Estrangeiros

Entrada de Estrangeiros

Educação

Educação

Portais

Portais

Publicações

Publicações

Ditadura Militar

Ditadura Militar

Eventos

Eventos

Exposições virtuais

  • 190 Anos Ministério da Justiça
  • 50 anos de desenvolvimento nacional
  • Capitais Bossa Nova
  • Drama e euforia – O Brasil nas Copas de 50 a 70
  • Razão, memória e imaginação: Encyclopédie
  • Estado Novo: 1937-1945
  • Estampas do Rio
  • França uma festa brasileira
  • Imagens da mulher brasileira
  • Brasil o Império nos trópicos
  • A imprensa alternativa no acervo do Sistema Nacional de Informações (1964-1985)
  • Jango a nossa breve história
  • Japão, Brasil: centenário de um encontro
  • Nas águas do mesmo Lago
  • O mundo luso-brasileiro
  • Nação Brasílica 180 anos de Independência
  • A história em preto e branco: periódicos no Brasil do século XIX
  • Recine – Nas ondas do rádio
  • Rio 1908: a cidade de portos abertos
  • O Rio do morro ao mar
  • Viagens Italianas

Arquivo na História

Série Império

Império Brasileiro - Relato sobre povoação abandonada na Bahia

Ao longo do século XVIII, relatos de descobertas de povoações abandonadas no interior do Brasil eram recorrentes, expressando um rico imaginário geográfico. De fato, descobertas de povoações abandonadas não eram incomuns, tendo em vista que diversos pequenos povoados construídos durante...

O Gigante que Dorme Este mapa foi elaborado em 1887 por ordem de Antonio da Rocha Fernandes Leão, Presidente da Província do Rio de Janeiro. Dentre as diversas informações contidas no documento, vemos estradas de ferro em tráfego e em construção, linhas de navegação e as distâncias entre a cidade do Rio de Janeiro e diversas localidades, além de uma representação ampliada da Baía de Guanabara. Um dos aspectos interessantes encontra-se em destaque na parte central do mapa, onde podemos ver o contorno das montanhas da cidade do Rio de Janeiro. Vista da Baía de Guanabara, a formação montanhosa se assemelha à imagem de um ser humano deitado de costas, tornando-se conhecida, por isso, como “Gigante que Dorme” ou “Gigante de Pedra”. Augusto Fausto de Souza, em 1882, descreveu a visão dos navegantes da seguinte forma: “O navegante que, chegando em frente à barra – em noite clara, ou à hora em que a frouxa luz do dia, que se despede ou se aproxima, torna indecisa a forma dos objetos –, estender a vista pelo espaço que se desenvolve à esquerda, ficará absorto e experimentará uma sensação de assombro, notando a extraordinária disposição que apresentam as montanhas, dando a forma exata e muito distinta de um colossal vulto humano deitado de costas, e que um efeito de ótica parece suspendê-lo acima das águas, aumentando-lhe as já enormes dimensões. Nesta imensa figura, conhecida geralmente como Gigante que dorme ou Gigante de pedra, as elevadas montanhas da Gávea e da Tijuca formam o rosto, dotado de um pronunciado nariz aquilino, a serra do Corcovado representa o tronco e as pernas, e o Pão de Açúcar o termina, formando-lhe o pé” (SOUZA, Augusto Fausto. A baía do Rio de Janeiro, sua história e descrição de suas riquezas. Rio de Janeiro: Tipografia Militar Costa & Santos, 1882, p. 67-8). Na imagem, “Mapa de la provincia di Rio de Janeiro, fatto organizzare dal presidente della provincia l’Eccmo. Dr. Antônio da Rocha Fernandes Leão, pel servizio dell’imigrazione”, 1887. Fundo Francisco Bhering. BR_RJANRIO_F4_0_MAP_0009 #RioDeJaneiro #GiganteQueDorme #BaíaDeGuanabara #mapa #maps #ArquivoNacional #NationalArchivesofBrazil

Uma publicação compartilhada por Arquivo Nacional (@arquivonacionalbrasil) em

Fim do conteúdo da página