Exposição “Itinerários Indígenas”

A exposição “Itinerários Indígenas” fica em cartaz,  na sede do Arquivo Nacional (AN) no Rio de Janeiro, até o dia 30 de setembro, 

A exposição abrange documentos e peças do próprio Arquivo Nacional, como manuscritos e obras raras que datam desde o século 16 até o século 21. Para o público leigo que vai ter contato pela primeira vez com documentos ligados aos indígenas brasileiros, a curadora da mostra, Claudia Beatriz Heynemann, destacou que vai ser a oportunidade de as pessoas verem manuscritos originais de séculos passados, além de reproduções de livros raros de expedições pouco conhecidas que percorreram o país no século 19, principalmente de naturalistas alemães, com fotos dos primeiros contatos feitos com indígenas no país.

Beth Brea, pesquisadora do AN uma das curadoras da exposição comenta:“Essa exposição é um pedacinho do que a documentação do AN nos permitiu fazer em termos de itinerário de viajantes, naturalistas e cronistas que fizeram a historia do país. Também é um itinerário meu e da Claudia Heynemann na documentação do AN e esperamos que provoque novos itinerários em outros pesquisadores nas áreas de conhecimento no acervo da instituição, que é vastíssima sobre o tema. Essa exposição deixa claro que os índios não são tema passado, eles estão conosco, são parte da sociedade e a tal chamada questão indígena é uma questão de todos nós”,

A representante da Aldeia Maracanã Carmelita Lopes, declara que a mostra permite que as pessoas conheçam a história dos índios e suas etnias: “Meu nome civil é Carmelita Lopes, mas na tradição Puri, sou Nana Puri que significa rio, água. Crescemos com a ideia de que para ser índio precisa estar em aldeia, em tribo, usar tanga, caçar, viver no mato, isso é lenda. Precisamos mudar essa visão. Eu mesma demorei a mudar meus conceitos. Meus ancestrais vêm de Serra da Onça e de São Geraldo. Minha mãe dizia que minha tetra-avó era Negro Puri. Isso porque quando os europeus chegaram, se diziam brancos e os escravos vindos da áfrica, eram os negros. Para eles só existiam esses extremos. Os índios foram chamados de negros da terra. Com isso perdemos nossa identidade. Vejo essa exposição com o prazer de saber que mais instituições públicas estão se preocupando em dar esse espaço para que pessoas como eu,se descubram e possam identificar a etnia da qual fazem parte, possam conhecer sua história. Espero que a exposição também sirva como estímulo para o conhecimento da história dos índios e de várias etnias indígenas”.

exposição nominal

 

Release

Curadoria: Claudia Beatriz Heynemann | Maria Elizabeth Brea

Serviço
Endereço. Praça da República 173, Centro. Rio de Janeiro
Horário: 9 às 18hs
Período: até 30 de setembro
Visitas orientadas e atividades educativas: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
(21) 2179-1256
www.arquivonacional.gov.br

-

Ascom
agosto 2017

Tags: Exposição, Exposição Itinerários Indígenas