Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Conheça a Biblioteca Maria Beatriz do Nascimento
Início do conteúdo da página

Conheça a Biblioteca Maria Beatriz do Nascimento

Escrito por Mirian Lopes Cardia | Publicado: Sexta, 24 de Março de 2017, 11h15 | Última atualização em Sexta, 23 de Junho de 2017, 09h22

31 dez bibliotec bndesA Biblioteca do Arquivo Nacional, Maria Beatriz do Nascimento, foi criada pelo regulamento do Arquivo do Império (anexo ao decreto nº 6.164, de 24 de março de 1876) para reunir, além da coleção impressa de legislação brasileira, obras de direito público, administração, história e geografia do Brasil. Dedicada a um público especializado, complementava a consulta aos manuscritos e documentos impressos e vinha somar-se ao universo de bibliotecas públicas instaladas no Rio de Janeiro.

Ainda no século XIX, a biblioteca contou com o apoio de doadores da elite política e de instituições, como o visconde de Uruguai, o conselheiro Pimenta Bueno, Candido Mendes de Almeida, Pereira da Silva, o fotógrafo Victor Frond, o IHGB, Instituto dos Advogados Brasileiros, entre muitos outros. Em 1863, a biblioteca contava com cerca de quatrocentos volumes. Com o passar dos anos, tornou-se uma importante fonte de informação e pesquisa para os estudos de história do Brasil e de arquivologia. Hoje, mantém intercâmbio de publicações com arquivos estaduais e municipais brasileiros e com arquivos nacionais e regionais de vários países.

Recentemente recebeu como doação a biblioteca da Associação dos Arquivistas Brasileiros (1971-2015), passando a reunir, assim, o maior acervo bibliográfico de arquivologia do país.

O acervo atual é composto por 111 mil exemplares de livros, folhetos, periódicos, teses, dissertações, CDs e DVDs, em mais de vinte idiomas diferentes, dos quais 23 mil volumes são classificados como “obras raras e especiais” com destaque para a obra em pergaminho Senaca Moralis, de Sêneca (1490); uma Bíblia em latim de 1509; Le relationi universali, de Giovanni Botero (1595); Encyclopédie ou Dictionnaire raisonné des sciences, des arts et des métiers, par une Société de Gens de lettres (1751-1780); Dictionnaire infernal répertoire universel, de Collin de Plancy (1863), além de manuscritos iluminados medievais do século XV.

Outro conjunto de publicações muito importante consiste na coleção de livros de viajantes e cronistas que registraram seu olhar e sua interpretação do Brasil e seus povos: Historia navigationis in Brasiliam, de Jean de Léry (1586); L’histoire du nouveau monde ou Decription des indes occidentales, contenant dix-huict liures, de Joannes de Laet (1640); Historia naturalis brasiliae, de Willem Piso (1648); Rerum per octennium in Brasilia et alibi gestarum de Casparis Barlaei (1660); Johan Nieuhof (1682); De Gedenkwaardige Voyagie, de Andries Battel (1706); Relation abrégée d’un voyage fait dans l’interieur de l’Amérique Méridionale, de Charles Marie de La Condamine (1745); Travels in the interior of Brazil, particurlary in the gold and diamond districts of that country, de John Mawe (1812); Travels in Brazil, de Henry Koster (1816); Reise in Brasilien, de Johann BaptistVon Spix e Karl Friedrich Philipp Von Martius (1823- 1831); Voyage dans le discrict des diamans et sur le littoral du Brésil, de Auguste de Saint-Hilaire (1833); Voyage pittoresque dans le Brésil, de Johann Moritz Rugendas (1835); Diário da viagem do Dr. Francisco José de Lacerda e Almeida pelas capitanias do Pará, Rio Negro, Mato Grosso, Cuyaba e S. Paulo, nos annos de 1780 a 1790, de Francisco José de Lacerda e Almeida (1841); A woman’s journey round the world, from Vienna to Brasil, Chili, Tahiti, China, Hindostan, Persia, and Asia Minor, de Ida Reyer Pfeiffer (1850); Ornithologie brésilienne ou Histoire des oiseaux du Brésil, remarquables par leur plumage, leur chant ou leurs habitudes, de Jean Theodore Descourtilz (1852); Brazil and the brazilians portrayed in historical and descriptive sketches de Daniel Parish Kidder (1857); Voyage dans le nord du Brésil fait durant les années 1613 et 1614, de Yves d’Evreux (1864); A journey in Brazil de Louis Agassiz (1868), entre outras.

O catálogo da Biblioteca Maria Beatriz do Nascimento pode ser consultado neste site do Arquivo Nacional por meio da base de dados BNPortal.

Todo o acervo está disponível à consulta mediante agendamento prévio com o Setor de Atendimento Presencial, no Rio de Janeiro, ou por meio de reprodução, com o Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Compete à biblioteca Maria Beatriz do Nascimento planejar, elaborar e controlar as atividades de processamento técnico, assim como zelar pela conservação dos materiais bibliográficos sob sua guarda e promover, em conjunto com os setores de atendimento, o acesso a esses materiais além de desempenhar também papel relevante no apoio às atividades de difusão, em especial para a realização de exposições e publicações que têm, no seu acervo, fontes valiosas de informação iconográfica e textual.

Na Biblioteca do Arquivo Nacional é possível:

• Consultar o catálogo on-line BNPortal
• Obter orientação de busca e recuperação de informações pertinentes ao acervo bibliográfico
• Consultar os documentos bibliográficos mediante agendamento prévio na Sala de Consultas
• Propor a doação de acervo bibliográfico para a instituição
• Utilizar o serviço de atendimento a distância, por meio de correspondência postal ou Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
• Solicitar a reprodução de documentos em meio digital ou em papel, de acordo com as normas institucionais

Serviço:

Biblioteca: (21) 2179-1233
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Atendimento presencial: (21) 2179-1235
Praça da República 173 Centro 20211-350 Rio de Janeiro RJ
Segunda a sexta: 7h30 às 19h30
Horário limite para entrada: 18h30
Consulta a obras raras: 10h às 16h
Atendimento a distância: (21) 2179-1257
consultas@ arquivonacional.gov.br

Como chegar:

Ônibus: A sede do Arquivo Nacional é servida por dezenas de linhas de ônibus provenientes das zonas Norte, Sul e Oeste da cidade, bem como de outros municípios.
Metrô: Estação Central (linhas 1 e 2 e integração com os trens da Supervia)
Trem: Estação Central do Brasil
O Arquivo Nacional dispõe de estacionamento apenas para pesquisadores e visitantes com deficiência, que deverão entrar pela rua General Caldwell nº 149. Para os demais usuários, há estacionamentos comerciais nas imediações.

logo cadeirinha

Acesso de pessoas com mobilidade reduzida pela Rua Azeredo Coutinho nº 77 Centro Rio de Janeiro RJ

  

Acesse: http://www.arquivonacional.gov.br/consulta-ao-acervo/biblioteca.html

Visite nosso Facebook

-

ASCOM
24/03/2017

registrado em:
Fim do conteúdo da página