Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Releases > "Carta de Cascais"
Início do conteúdo da página
Release

"Carta de Cascais"

Publicado: Quarta, 05 de Julho de 2017, 15h46 | Última atualização em Quarta, 05 de Julho de 2017, 15h46 | Acessos: 874

Entrevista com gestor do Arquivo Histórico Municipal de Cascais

No dia 4 de abril, o diretor-geral do Arquivo Nacional (AN), José Ricardo Marques, participou do evento 'Conversas no Arquivo', no Arquivo Histórico Municipal de Cascais (Portugal).

O chefe de divisão do Arquivo Histórico Municipal de Cascais, João Miguel Henriques, concedeu entrevista sobre o encontro:

Qual foi o objetivo do evento 'Conversas no Arquivo'?

Nesta primeira sessão das Conversas do Arquivo, promovidas pela Câmara Municipal de Cascais, que contou com a participação de José Ricardo Marques, Diretor-Geral do Arquivo Nacional do Brasil e de Pedro Penteado, Diretor de Serviços de Arquivística e Normalização da Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, debateram-se as diretrizes das atuais políticas nacionais de arquivo, marcadas pelos desafios impostos pela revolução tecnológica, numa época de profundas transformações a nível global, que se tem vindo a traduzir no reposicionamento dos arquivos na sociedade do conhecimento. Falou-se ainda dos principais projetos que ambas as entidades estão a desenvolver nos respetivos países.

Qual foi a contribuição da participação do Arquivo Nacional do Brasil no debate?

O Diretor-Geral do Arquivo Nacional apresentou as linhas de rumo da política arquivística nacional brasileira, marcada pela aposta na modernização administrativa e na desmaterialização da documentação. O seu contributo foi igualmente essencial para a discussão em torno da necessidade da gestão integrada dos arquivos e da construção de repositórios digitais fidedignos.

Qual a importância do diálogo entre instituições arquivísticas de Brasil e Portugal?

Este diálogo poderia promover uma maior cooperação técnica e a troca de saberes e de informações entre os dois países, que se poderia traduzir, por exemplo, na constituição de uma rede de arquivos destinada à divulgação do património arquivístico do Brasil e de Portugal, mas também dos restantes países da CPLP. O projeto decerto contribuiria para a afirmação da língua portuguesa como símbolo e garante de uma identidade e história partilhadas, propiciando novos projetos de cooperação para a Comunidade dos Países Lusófonos.

Qual é o conteúdo e a importância da "Carta de Cascais"?

A redação da “Carta de Cascais”, documento de princípios tendente à constituição de uma rede promotora de arquivos portugueses e brasileiros, deverá ser proposta em sede de relações bilaterais entre o Arquivo Nacional do Brasil e a Direção-Geral do  Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas.  Se a intenção passar por alargar esta rede a outros países lusófonos este projeto deverá ser apresentado em sede de relações multilaterais, como é o caso do Fórum de Arquivos Lusófonos. A Câmara Municipal de Cascais está naturalmente ao dispor para receber a cerimónia de assinatura do documento, cujos contornos iniciais foram propostos pelo Diretor do Arquivo Nacional do Brasil, por ocasião deste debate.

Fim do conteúdo da página