Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Lívio Abramo

Escrito por Bruna Barcelos | Publicado: Segunda, 21 de Maio de 2018, 14h58 | Última atualização em Terça, 22 de Maio de 2018, 15h36 | Acessos: 518

Autodidata, Lívio Abramo (1903-1992) tornou-se um dos mestres da gravura brasileira e contribuiu para a difusão da gravura de arte no país. Atuante nos campos da política e da luta sindical, Lívio incorporava o cotidiano de operários e camponeses em suas obras. Nelas, segundo sua irmã, a atriz Lélia Abramo, tampouco se furtava a discutir a guerra e as diversas formas de agressão contra a humanidade. Foi filiado ao Partido Comunista Brasileiro e participou do levante de 1935, que precedeu o recrudescimento das medidas repressivas por parte do governo de Getúlio Vargas e o golpe de Estado de novembro de 1937. Trabalhando como ilustrador para o jornal Diário da Noite, usava os desenhos para realizar suas críticas, o que lhe rendeu duas prisões. Em uma das ocasiões, o Departamento de Ordem Política e Social – DEOPS de São Paulo o deteve com desenhos de sua autoria, livros, um manuscrito e uma receita de remédios.

Influências do expressionismo alemão e da antropofagia estiveram presentes nos trabalhos dos primeiros anos como gravador. Em constante busca pelo aperfeiçoamento, Lívio elabora uma nova linguagem para realizar as xilogravuras de Pelo Sertão, livro de Afonso Arinos de Mello Franco, publicado pela Sociedade dos Cem Bibliófilos do Brasil. Fundada por Raymundo Ottoni Castro Maya, a Sociedade dedicava-se a editar obras de grandes autores brasileiros, ilustradas por renomados artistas nacionais. Formada por intelectuais e empresários, a Sociedade publicava livros de forma artesanal, que eram depois distribuídos entre seus membros em jantares no Jockey Club. Gilberto Ferrez era um dos integrantes da Sociedade e a capa do cardápio aqui apresentada, ilustrada por Lívio Abramo, integra o fundo Família Ferrez.

Capa do cardápio de jantar da Sociedade dos Cem Bibliófilos do Brasil, ilustrada pelo artista plástico Lívio Abramo. Autógrafo. Rio de Janeiro, 10 de agosto de 1948. Família Ferrez

registrado em:
Fim do conteúdo da página